15517 Visitas. Obrigado!
Untitled Document

Hard Bike Tour V

Tour da Estepe

Região Sul do Pampa San Tomé


700 Milhas

Esteros Encantados de Iberá

 

do Rio Paraná ao Rio Paraná

(Cidade de Ituzaingó)

Praia do Rio Paraná na Cidade de Ituzaingó

Via

Estepe Platina

Cruzando a Estepe Platina

 

Pampa San Tomé e Esteros del Iberá

Coxilha Central do Pampa San Tomé

Província de Corrientes - República Argentina

Setembro/2010

Laguna de Iberá em Colônia Pellegrini

 

Support Baby Bike Team
"Aqui o bicho chora!"

Lavoisier Richard
Everaldo dos Reis
Ciclista de Resistência
Piloto de Apoio

Londrina - Paraná - Brasil

 

Apresentação
A Estepe Platina de Entre Rios, localizada na República Argentina entre os rios Paraná, Uruguay e Iguaçu possui uma área total de 200.000 Km² e é uma das mais belas e selvagens regiões da América do Sul. Também conhecida como Mesopotâmia Argentina, faz fronteira com Paraguay, Brasil e Uruguay e abrange 03 províncias argentinas: Misiones, Corrientes e Entre Rios. Formada por variados ecossistemas, entre eles as florestas de Misiones, os Esteros de Iberá, a Planície do Rio Paraná, as Lomas de Vallejos, parte da região dos Pampas Gaúchos (San Tomé e Montiel) e as Grandes Coxilhas Centrais; oferece uma grande variedade de atrativos turísticos com variada fauna e flora e paisagens diversas e deslumbrantes.
A área escolhida dentro da Estepe Platina para a execução da Hard Bike Tour V foi a província de Corrientes, passando pelas regiões do Pampa San Tomé e dos Esteros de Iberá.

Mapa do Nordeste da Argentina
Províncias de Entre Rios, Corrientes e Misiones

Estepe Platina de Entre Rios

 

Roteiro Oficial da Hard Bike Tour V

Tour da Estepe - 700 Milhas

 

VÍDEOS

 

Pré-tour

20/09/2010
Segunda-feira

Viagem de Automóvel de Londrina até Ituzaingó

950 Km

Viagem de 12 horas

09:00 às 21:00 hs

Saímos as 09:00 hs da manhã da loja ELLO BIKES de maneira tranquila e festiva com a presença da esposa do piloto, da namorada do ciclista e do grande camarada e colaborador Gilson Corsaletti, gerente da citada loja, e após 13 horas de viagem com uma longa fila na aduana, quatro barreiras policiais dentro da Argentina, pois a região por fazer fronteira com o Paraguay é uma das mais vigiadas e policiadas do país de "Los Hermanos", chegamos na cidade de Ituzaingó no extremo norte da Estepe Platina e às margens do majestoso Rio Paraná. Pegamos um hotel na praça central da cidade cuja proprietária era uma simpática senhora que já havia viajado muito ao Brasil. Agora era descansar para iniciar a jornada na madrugada do dia seguinte, estávamos ansiosos pelo início e parecia que teríamos um dia bem "quente" pela frente.

Ciclista com Sol Morena
Richard, Gilson e Everaldo
Support Baby Bike Team

 

Etapa 1

21/09/2010
Terça-feira

Cidade de Ituzaingó -> Trevo RP-41

150 Km

140 Km em rodovias
10 Km em trânsito

Jornada de 13 horas

06:30 às 19:30 hs

Iniciamos a Hard Bike Tour V em uma das praias do Rio Paraná na tranquila cidade de Ituzaingó embaixo de uma verdadeira tempestade que havia começado de madrugada e parecia que não iria acabar tão cedo.
Após 30 Km pela Ruta Nacional 12, rodovia esta que margeia o Rio Paraná em território argentino por cerca de 1200 Km, tivemos que abortar a entrada nos Esteros de Iberá pela Ruta Provincial 41 (estrada de chão) e alteramos o roteiro pegando logo em seguida a Ruta Provincial 120 que nos levaria para a Ruta Nacional 14, também conhecida como Ruta Transpampeana por atravessar a face norte dos Pampas argentinos.

Saída do Rio Paraná
Ruta Nacional 12
Entrada da Ruta Provincial 41


A Ruta Provincial 120 foi umas das mais instigantes estradas asfaltadas percorridas até hoje dentro do Break On Through Project: 63 Km de um asfalto perfeito, movimento nulo e retas enormes com longas curvas. A chuva continuava ora intensa, ora moderada, com alguns poucos momentos de trégua, o vento porém, era constantemente forte e contrário. Pouco depois do meio dia, com cerca de 100 Km percorridos, chegamos no trevo da Ruta Nacional 14 e pouco antes disso infelizmente, encontramos um lindíssimo filhote de tamanduá atropelado em plena pista. Após 10 Km em direção ao sul pela Ruta Nacional 14 chegamos na cidade de Governador Virasoro. A chuva cessara por completo e o dia ficou nublado com a temperatura agradável. Fizemos um bom pit-stop em Virasoro e às 15:00 hs disparamos em direção a cidade de Santo Tomé, sabendo que dificilmente, por causa das chuvas, poderíamos entrar na Ruta Provincial 40 (25 Km antes de Santo Tomé), que também leva, a exemplo da Ruta Provincial 41 que não foi possível pegar no início da jornada, ao coração dos Banhados de Iberá.

Entrando na Ruta 120
Ruta Provincial 120
Chegada na Ruta Nacional 14


A partir de Governdador Virasoro, a paisagem vai mudando gradualmente e descortinam-se as maravilhosas campinas e pastagens alagadas dos Pampas Gaúchos. A pedalada transcorreu tranquila apesar de um certo movimento na rodovia e da falta de acostamento. Pouco depois das 19:00 hs e com pouco mais de 140 Km percorridos chegamos no trevo de entrada da Ruta Provincial 40 e resolvemos ficar em um pequeno hotel, também no trevo, para ver se pela manhã poderíamos "atacar" os banhados ou se teríamos que contornar pelo Pampa por cerca de 600 Km esperando que o tempo firmasse e as estradas de terra e de areia secassem de maneira segura para o carro de apoio.

Ruta Nacional 14 em Virasoro
Primeiro Visual dos Pampas
Chegada no Trevo da RP 41

 

Etapa 2

22/09/2010
Quarta-feira

Trevo RP-41 -> Cidade de Yapeyú

180 Km

170 Km em rodovia
10 Km em trânsito

Jornada de 12 horas

06:30 às 18:30 hs

Novamente choveu muito de madrugada e ainda estava caindo muita água quando inciamos pouco depois das 06:30 hs o segundo dia de jornada. Sem condições de entrar na Ruta Provincial 40 seguimos pela Ruta Nacional 14 entrando definitivamente na região dos Pampas e inciando o enorme contorno para poder entrar em segurança nos Banhados. Com 10 Km de pedalada encontramos um grande santuário em homenagem ao folclórico e muito querido personagem da história argentina: Gauchito Antônio Gil, considerado um Santo pela população geral.
As 08:30 hs ainda sobre forte chuva, chegamos na cidade de Santo Tomé que é banhada pelo Rio Uruguay e faz fronteira com a cidade brasileira de São Borja no estado do Rio Grande do Sul. Santo Tomé del Rio Uruguay foi uma importante redução jesuítica do século XVII e é hoje uma cidade relativamente grande e movimentada. Através da Ponte Internacional da Integração sobre o Rio Uruguay chega-se ao Brasil.

Santuário do Gauchito Gil
Cidade de Santo Tomé
Piloto Curtindo Todas...

Seguimos, com o tempo úmido e muito vento contrário, pela Ruta Nacional 14 através do chamado Pampa San Tomé que é simplesmente deslumbrante com enormes pastagens e várias lagoas além de muitos animais, (principalmente grandes pássaros) na beira da pista, pista que agora parecia uma serpente negra no meio daquela imensidão verde. Utilizando desde o dia anterior devido as condições climáticas, sua pesada e robusta bicicleta azul de treino com pneus cravados de 2,25 cm de largura, o ciclista, pela 1ª vez sem um desafio radical a ser cumprido no sentido tempo/distância, estava bastante empolgado e por volta das 14:00 hs já havia ultrapassado os 110 Km percorridos. A chuva havia ido embora de vez e o sol, meio tímido pintou no horizonte. Por falar em empolgação, o piloto de apoio, que nunca havia saído do Brasil, estava em estado de "Puro Ecstasy" com o visual da Estepe Argentina. Passamos em uma granja, Granja Stella Maris e fomos recebidos de maneira muito simpática e amistosa pelo proprietário que fez questão de nos presentear com um quilo do mais puro mel e ficou, juntamente com sua esposa bastante impressionado com nossas aventuras ciclísticas, indo rapidamente acessar o nosso site. O Pampa é uma região lindíssima e estávamos praticamente beirando o Rio Uruguay... Muita natureza na cena!

Falcão Pampeiro
Cidade de Alvear
Virgem de Itati

Por volta 15:00 hs passamos na cidade de Alvear e comemos alguma coisa salgada com muio sorvete e refrigerante. Pouco depois um belo e calmo rio: o Rio Aguapey. A tarde estava agradável; nem frio e nem calor com o incansável vento que por lá se chama Pampero e no Rio Grande do Sul chama-se Minuano. Foi um dia pra lá de muito bom, com todos os ingredientes de uma Hard Bike Tour e ao entardecer chegamos na aprazível, simpática e pacífica cidade de Yapeyú (pronuncia-se Iapejú). Importantíssima redução jesuítica às margens do Rio Uruguay e terra natal do libertador na nação argentina: General de San Martin. Com 170 Km pedalados e com 12 horas de jornada, aportamos em um ótimo hotel na praça central da cidade e em frente a casa onde nasceu o famoso e heróico General argentino, e a menos de 100 metros do alucinógeno Rio Uruguay.

Gaúcho Típico da Região
Chegada na Cidade de Yapeyú
Entardecer no Rio Uruguay

 

Etapa 3

23/09/2010
Quinta-feira

Cidade de Yapeyú -> Cidade de Curuzú Cuatiá

160 Km

150 Km em rodovias
10 Km em trânsito

Jornada de 12 horas

07:00 às 19:00 hs

Após um alvorecer inesquecível às margens do fabuloso Rio Uruguay (que por ali mais parece um lago de tão calmo) e visitarmos a Casa de San Martin e ruínas jesuíticas do ano 1627, estávamos as 07:00 em ponto disparando pela Ruta Nacional 14 após trocar as bikes e sabíamos que aquela jornada seria dividida em duas partes distintas. Primeiro até Paso de los Libres, ainda no Pampa San Tomé por cerca de 70 Km e depois deixando o Rio Uruguay, mais 80 Km para dentro da Estepe, nas chamadas Coxilhas Centrais do Pampa, até a histórica e antiga cidade de Curuzú Cuatiá.

Casa de San Martin
Ruínas Jesuíticas
Troca de Máquinas

Utilizando agora que a chuva parecia ter nos abandonado definitivamente, a levíssima e afiada Kalahari GT Flatland com pneus de 01 cm de largura e com 09 posições de pegada no guidão, o ciclista, apesar do forte vento arregaçou a boca do balão e por volta de 11:00 hs, estávamos no trevo de acesso à cidade de Paso de los Libres, onde fizemos um ótimo pit-stop num posto de gasolina da Petrobrás com o tradicional tripé: salgados, refri e sorvetes. Às 12:00 partimos pela Ruta 14 que encontra-se ou encontrava-se em obras de duplicação por cerca de 20 Km em direção a Buenos Aires. O tráfego intensificou-se e a pedalada ficou meio tensa no trecho de cerca de 35 Km até a entrada para a Ruta Provincial 126 que nos levaria até Curuzú Cuatiá. Por volta de 14:00 hs deixamos a alucinante, bela e perigosa Ruta Nacional 14 e iniciamos nos aventurar pela parte central da Estepe na chamada Grande Coxilha Central.

Pulverizando o Pampa
Parceiros de Aventura
Mad Cemetery

A Ruta Provincial 126, a exemplo da Ruta Provincial 120, foi outra estrada marcante e prazerosa nas aventuras do Break On Through: ondulada, deserta e com um visual de tirar o chapéu, ou melhor, o capacete. Foram 70 Km de puro delírio ciclístico com direito a um cemitério fantasmagórico no meio da Estepe, e muitos pássaros e animais no caminho. Ao entardecer chegamos na antiga (a cidade estava comemorando 200 anos da fundação) e bem agitada Curuzú Cuatiá.Com cerca de 150 Km percorridos desde Yapeyú o dia havia sido perfeito e a Tour da Estepe estava melhor a cada etapa em uma região maravilhosa; a Província de Corrientes. Pegamos um bom e grande hotel no centro histórico da movimentada e relativamente grande cidade e depois das várias empanadas e sorvetes fomos descansar pois o dia seguinte prometia ser extremamente Hard.

Sem Palavras
Visual na Ruta 126
Chegada em Curuzú Cuatiá

 

Etapa 4

24/09/2010
Sexta-feira

Cidade de Curuzú Cuatiá -> Cidade de Mariano Loza

170 Km

160 Km em rodovias
10 Km em trânsito

Jornada de 12 horas

07:00 às 19:00 hs

Deixamos a simpática e nostálgica cidade de Curuzú Cuatiá às 07:00 hs e entramos, após 05 Km de asfalto na desconhecida, pouco utilizada e desértica Ruta Provincial 25 que nos ofereceu um piso pedregoso porém sólido e com ótimo "grip", principalmente para os pneus cravados que equipavam a Super Thunder Blue. Durantes 45 Km encontramos no máximo 03 casas ou sedes de fazendas, no mais só visual e pedal. A estrada com algumas ondulações era desafiadora e a pegada foi forte aproveitando-se a grande estabilidade da bike e a motivação natural de estar pedalando em uma estrada tão insólita. Por volta de 11:30 hs chegamos no cruzamento da Ruta Provincial 25 com a Ruta Provincial 23 e "pegamos" então a 23 no sentido norte em direção a cidade de Perugorria.

Hora de Zarpar!
Visual na Grande Coxilha
Ruta Provincial 25

A Ruta 23 foi bem mais complicada no tocante a pedalada por ser bem esburacada e com sulcos e trilhos até certo ponto perigosos. Podia se notar a influência, ou melhor, a presença ainda que tímida da vegetação do Gran Chaco nessa região, pois já estávamos na chamada Área de Transição Chaco-Pampeana que compreende, além dos Esteros, a região noroeste da Província de Corrientes.
Com um pequeno povoado depois do trevo, visual marcante e muitos, mas muitos pássaros na cena, percorremos 50 Km até a cidade de Perugorria onde chegamos pouco depois das 16:00 hs. Os primeiros 100 Km daquela jornada tinham sido até aquele momento extremamente difíceis, com um visual compensador por estradas bem estranhas.

Piloto no Meio da Estepe
Paisagem Chaco-Pampeana
Ciclista no Meio da Estepe

 

Entre as cidades de Perugorria e Mariano Loza (48 Km) existe a Ruta Provincial 124 que foi outro delírio dentro da Tour da Estepe. Plana, com asfalto novíssimo, visual ora do Chaco, ora do Pampa e com quase nenhum movimento essa belíssima estrada encerrou um dia em termos ciclo-turísticos simplesmente espetacular. Chegamos em Mariano Loza às 19:00 hs após cerca de 160 Km de pedal. Poderíamos ter vindo direto de Curuzú Cuatiá até Mariano Loza por asfalto (Ruta Provincial 119), mas sabíamos que tínhamos acertado em ter escolhido um caminho tão diferente e inusitado pelas Coxilhas Centrais da Estepe Platina.

Chegada em Perugorria
Sem Palavras II
Ruta Provincial 124

 

Etapa 5

25/09/2010
Sábado

Cidade de Mariano Loza -> Cidade de Carlos Pellegrini

160 Km

150 Km em rodovias
10 Km em trânsito

Jornada de 11 horas

07:00 às 18:00 hs

A cidade de Mariano Loza não oferece muito, ou melhor, não oferece nada. Sem restaurantes, sem hotéis, sem água encanada... A noite foi meio "Trash" e tivemos que nos virar alugando um quarto na casa de um comerciante. Às 07:00 hs estávamos em ponto de bala pois naquele dia finalmente entraríamos nos Banhados Encantados de Iberá. Na saída de Mariano Loza visitamos um santuário do Senhor San la Muerte, figura macabra que representa a morte, ou uma boa passagem para ela e é um santo muito querido e adorado em muitos países de colonização Hispânica. O vento estava furioso e contrário nos 37 Km até a cidade de Mercedes pela também muito bela Ruta Provincial 119 que apresentava movimento intenso afinal era sábado de manhã e muita gente vai e estava indo visitar o santuário de Gauchito Antônio Gil, personagem lendário, místico e popular, tido e havido como um santo pela grande maioria do povo argentino (Vide Hard Bike Tour III - Tour del Chaco / 1000 Milhas).

Praça de Mariano Loza
Santuário San la Muerte
Visual na Ruta 119

Finalmente depois de passarmos batido pela cidade de Mercedes, onde aferimos o local exato da execução e decapitação (hoje santuário oficial) do personagem Gauchito Gil, chegamos no trevo que leva aos Esteros.
Cerca de 120 Km
separam a cidade de Mercedes da cidade de Carlos Pellegrini no coração dos Esteros de Iberá, e de sua fabulosa lagoa, a Lagoa de Iberá. Por volta de 11:00 hs pegamos a estrada de chão batido na saída de Mercedes que lembrava um pouco a Ruta 25 que havíamos percorrido na saída de Curuzú Cuatiá, porém em alguns trechos uma areia branca e fofa misturava-se com as pedras, afinal estávamos entrando na segunda maior área alagada da América do Sul só ficando atrás do Pantanal Mato-grossense. Enormes avestruzes, capivaras, cervos-do-pampa, jacarés e uma variedade enorme de pássaros começaram a cruzar nosso caminho. Um verdadeiro zoológico a céu aberto. A tarde quente e bonita era outro ingrediente para impulsionar a pedalada por uma região que nunca havíamos sequer sonhado em atravessar. Em 120 Km contamos duas casa e cruzamos com no máximo 03 carros (4x4) e talvez outros dois tenham passado por nós... Enfim era outro deserto, e um deserto bem fantástico.

Sombra sem Água Fresca
Entrada Sul de Iberá
Paixão nos Esteros

Por volta de 18:15 hs depois de uma tarde alucinantemente indelével, chegamos na fabulosa Lagoa de Iberá e a única coisa que o grande e estupefato Everaldo conseguiu balbuciar foi: "- Maluuco do Céu, que lugar é este?". Eu havia lhe avisado algumas vezes que o lugar era tão impactante quanto surreal, mas uma coisa é ouvir algo sobre alguma coisa e outra é ver a coisa na sua frente em "High Definition", no máximo de polegadas, metros e/ou quilômetros que sua vista possa alcançar. Ficamos por cerca de 40 minutos curtindo extasiados a beleza e a imponência daquela maravilha. Aquele entardecer jamais será deletado de nossas mentes.

Chegada na Lagoa de Iberá
Face Leste da Grande Lagoa
Everaldo na Ponte Antiga

 

 

Etapa 6

26/09/2010
Domingo

Passeio na Lagoa de Iberá na cidade de Carlos Pellegrini

70 Km

70 Km em trânsito

Jornada de 09 horas

10:00 às 19:00 hs

Diante da beleza e singularidade do local, não nos restou alternativa senão aproveitar aquele ensolarado domingo para curtir (e muito) em volta da monumetal Lagoa de Iberá. Hospedamo-nos em um razoável hotel e já no café da manhã tivemos a companhia à mesa de um simpático e atrevido joão-de-barro. Em seguida pegamos as bikes e fomos conhecer a isolada e um tanto quanto primitiva cidade de Carlos Pellegrini e sua grande lagoa.

Convidado no Café da Manhã
Pescador da Lagoa
Cardeal no Quintal do Hotel

A cidade, com população de 800 habitantes e mais cerca de 500 turistas o ano todo, não tem nenhuma rua asfaltada, o terreno é arenoso e a bem da verdade parece um grande loteamento com muito verde para qualquer direção que se olhe. A estrutura turística é rústica com alguns grandes e caros hotéis e outros não tão caros mas bem confortáveis. Os Esteros de Iberá é uma das inúmeras reservas (Parques Nacionais) da Argentina e o atendimento ao turista é muito bom com a tradicional educação e cordialidade inerentes ao povo argentino. Não obstante, a cidade de Carlos Pellegrini apresenta potencial considerável para ser um pólo turístico dos mais importantes e famosos da América do Sul.

Registrando a Cena
Só Vendo para Crer
É Break On Through...

Visitamos e conhecemos vários lugares interessantes e também assistimos na "Casa do Turista" a um vídeo/documentário muito legal sobre a região de Iberá. Encontramos vários animais soltos, entre cobras, jacarés, capivaras, jaguatiricas, lagartos e muitos, mas muitos pássaros.
Pedalamos bastante no entôrno da lagoa e curtimos um outro inesquecível fim de tarde com um pôr-do-sol alucinante naquele autêntico paraíso.

Habitante da Lagoa
Casal Visual
Sem Palavras III

 

Etapa 7

27/09/2010
Segunda-feira

Cidade de Carlos Pellegrini -> Cidade de Ituzaingó

210 Km

200 Km em rodovias
10 Km em trânsito

Jornada de 13 horas

06:00 às 19:00 hs

Saímos da ponte sobre a enorme lagoa às 06:00 hs e sabíamos que a jornada seria pra lá de difícil, pois o terreno que nos esperava era extremamente arenoso, fofo e enlameado. O dia apresentou um lindo nascer do sol e o visual da Ruta 41 era encantador, deserticamente encantador. A paisagem à nossa frente era uma miscelânea de bosques alagados, campinas e florestas baixas. E a pedalada, como previsto, estava simples e radicalmente Hard.

Saída da Lagoa
Alvorada Voraz
Início da Batalha

Por volta de 09:00 hs da manhã havíamos percorrido apenas cerca de 35 Km, sendo que em alguns trechos, a bicicleta tinha que ser empurrada pois os pneus afundavam e se o ciclista vacilasse era chão na certa.
Volta e meia porém o terreno sedimentava um pouco, o que era suficiente para dar uma adiantada no percurso. Ao meio-dia quando paramos para fazer um lanche estávamos com pouco mais de 80 Km percorridos desde às 06:00 hs, o que diante do quadro de dificuldades era uma boa distância.

Invasor de Iberá
Galinha do Banhado
Sem Palavras IV

É difícil descrever a maravilhosa sensação de pedalar e estar em uma região tão diferente, inóspita e ao mesmo tempo tão bela e desconhecida. Os únicos ruídos que ouvíamos era o cantar de inúmeros pássaros. O silêncio era estarrecedor. Por volta de 15:00 hs chegamos em uma pequena comunidade chamada Gallarza e fomos muito bem recebidos pelo professor da pequena escola que nos ofertou água gelada e energia elétrica para carregar a bateria da filmadora. A pedalada continuava frenética e instável por aquela estranha estrada e o sol rasgava as ideias. Depois de 170 Km e 12 hs de muito pedal chegamos ao asfalto da Ruta Nacional 12 que nos levaria de volta para a cidade de Ituzaingó de onde havíamos partido. Chegamos às margens do Rio Paraná poucos minutos antes das 19:00 hs e encerramos ali, já com muitas saudades da maravilhosa região da Estepe Platina, a Hard Bike Tour V.
VALEU!

Support Baby...
É o Bicho!
Chegada no Rio Paraná

 

Resumo

Com todas as características de uma Hard Bike Tour, a Tour da Estepe ficou entre maravilhosa e fantástica. Regiões lindíssimas, clima instável, estradas com pisos variados, boas distâncias percorridas a cada etapa e com espírito eminentemente turístico, sem um desafio específico e radical a ser cumprido; a jornada transcorreu de maneira tranquila, porém com alto grau de dificuldade. As deslumbrantes paisagens, tanto do Pampa San Tomé, das Coxilhas Centrais e dos Esteros de Iberá, foram o combustível necessário para a realização satisfatória do evento que tinha como tempo máximo para retorno até o Rio Paraná na cidade de Ituzaingó o prazo de 07 dias, incluído o dia de curtição às margens da Lagoa de Iberá.

VALEU! E VALEU MUITO...

Richard e Everaldo


 

OUTRAS IMAGENS DA TOUR DA ESTEPE
Hasta la Vista, Baby...
Agora é Nóis!
Rio Aguapey
Magic Tour
Taí "o" Cara!!
Hora do Suco
Esteros del Iberá
Colônia Pellegrini
Hard Bike Tour V

 

THE END

 

Próxima Jornada

Julho de 2011

ATÉ LÁ!